Notícias
 
O PARLAMENTO GAÚCHO NO MOVIMENTO DA LEGALIDADE
Assembleia Legislativa lança livro que resgata atuação parlamentar no Movimento da Legalidade
Vanessa Canciam - MTB 2060 - 17:50 - 13/11/2011 - Foto: Divulgação
Obra foi elaborada pelo Memorial do Legislativo com pesquisadores da UFRGS
Obra foi elaborada pelo Memorial do Legislativo com pesquisadores da UFRGS
Dentro das comemorações do Cinquentenário da Legalidade, a Assembleia Legislativa (AL), por meio do Memorial do Legislativo, lança a publicação “O Movimento da Legalidade: Assembleia Legislativa e mobilização política”, nesta segunda-feira (14), às 17h30, no estande do Parlamento gaúcho na Feira do Livro de Porto Alegre. Iniciativa do Grupo de Trabalho da Legalidade no Legislativo, o livro foi produzido em conjunto com professores do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS): Maria Izabel Noll, Claudia Wassermann, Carla Brandalise e Luiz Alberto Grijó. A tiragem inicial é de mil exemplares, que serão distribuídos gratuitamente ao público interessado.
 
Diferencial
No texto de apresentação da publicação, o presidente da AL, deputado Adão Villaverde (PT), ressalta que o livro retrata com precisão analítica a relevância da imediata adesão dos deputados ao Movimento da Legalidade, liderados pelo chefe do Poder Legislativo à época, deputado Hélio Carlomagno (PSD). “A obra aprofunda a análise das condições que facilitaram o apoio incondicional, "de primeira hora", do Poder Legislativo, em sessão permanente por 18 dias, para consolidar um ambiente institucional favorável à defesa da Constituição que repercutiu com impacto na população, sensibilizada para integrar a campanha cívica simbolizada na ocupação da Praça da Matriz”, afirma Villaverde.
 
Publicação
Com 152 páginas, o livro é dividido em quatro capítulos, que trazem as análises dos pesquisadores da UFRGS sobre o movimento e a atuação da Assembleia Legislativa durante o episódio político. Também integram o livro depoimentos de seis deputados que vivenciaram a Legalidade, em agosto e setembro de 1961. São eles: Ney Ortiz Borges, Sereno Chaise, Gudbem Castanheira, Alberto Hoffmann, Alexandre Machado e Arthur Bacchini.  A publicação é ilustrada com fotografias do período.
 
Para o diretor do Memorial do Legislativo, Vladimir Araújo, a maior contribuição do livro é o destaque à atuação parlamentar no movimento. “Pela primeira vez, é feita uma abordagem aprofundada de como a Assembleia Legislativa reagiu e se portou nos debates em plenário, em suas ações durante o período. Esse é um aspecto interessante: é a visão do Movimento da Legalidade de dentro da Assembleia, do que ocorreu no Parlamento”, analisou.
 
Elaboração
De acordo a coordenadora da Divisão de Pesquisa do Memorial do Legislativo, Débora Soares, desde fevereiro deste ano a equipe técnica do Memorial do Legislativo trabalha na elaboração do livro, com apoio de outros setores da Casa, como o Departamento de Taquigrafia, a Divisão de  Comunicação Visual e a Biblioteca Borges de Medeiros.
 
Segundo Débora, coube aos funcionários da AL todo o trabalho de pesquisa documental e iconográfica, diagramação, revisão e criação da capa do livro, além do apoio para os depoimentos dos ex-deputados. Foram fontes de pesquisa os Anais da Assembleia Legislativa da época, a Ata da Sessão Permanente do período de 18 dias da Legalidade, os jornais Última Hora e Correio do Povo e a Revista do Globo. As pesquisas foram feitas no acervo do Memorial, no Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa e no Museu da Brigada Militar.
Indicar Matéria
Versão de Impressão
BlogThis
Memorial do Legislativo

Rua Duque de Caxias, 1029 - Porto Alegre/RS - CEP 90010-282
Fone:(51)3210-1675 - memorial@al.rs.gov.br